.Opinião

19/02/2010 · 15:42
A tecnologia me tornou deficiente
Avanços tecnológicos podem criar barreiras às pessoas com problemas visuais
Tamanho da Letra
Texto: Thaís Furtado
Imagens: Divulgação FOX


Até pouco tempo, o fato de eu ter 18 graus de miopia em apenas um dos olhos só era conhecido pelas outras pessoas quando eu, por vontade própria, contava. Enxergar apenas de um olho nunca fez diferença substancial em minha vida. Quando eu era adolescente, jogava basquete com toda a facilidade no colégio. Aprendi a tocar violão, a cantar, a nadar, a dançar. Namorei, tive filhos. Enfim, uma vida normal.

Em minha carteira de motorista está escrito “visão monocular”, mas isso nunca me impediu de dirigir. Não posso ser motorista profissional, ou piloto de avião. Mas como escolhi ser jornalista, ver apenas com o olho esquerdo nunca fez diferença para mim. Entrevistei políticos, artistas, médicos, pessoas de todos os tipos. Nunca ninguém me disse: “Puxa, tu não enxergas do olho direito. Como é isso?”.

Passei a dar aulas na universidade, fiz mestrado, estou fazendo doutorado e nunca um aluno ou um colega percebeu que eu só enxergava com o olho esquerdo. E ainda tive a sorte de nascer com olhos verdes, portanto, só recebi elogios sobre eles. A única pessoa que às vezes faz metáforas com minha maneira particular de ver o mundo é minha terapeuta: “Não vai fechar um olho para não ver o que está acontecendo, hein?”. Mas isso muita gente que enxerga dos dois olhos faz a toda hora.

Quando foi criada a lei que garante aos deficientes uma parcela de vagas nas empresas brasileiras, liguei para o departamento pessoal da universidade onde trabalho para ver se eu não poderia ser enquadrada como deficiente. Não podia. Ver com um olho só não é considerado uma deficiência, pelo menos no Brasil. Portanto, consigo fazer tudo que as outras pessoas fazem. Ou melhor, conseguia.

“Tu já viste Avatar em 3D?” Essa pergunta me tornou deficiente. Não vi. Não consigo ver em 3D. É preciso dos dois olhos para ver um filme em 3D. Sempre achei que a evolução tecnológica só poderia ser positiva para a minha saúde. Minha miopia é muito alta para ser operada, também não consigo melhorar minha visão por completo com lente de contato. São 18 graus! Mas, apesar de eu ter uma vida normal, achei que um dia a medicina evoluiria de tal forma que eu, ou pelo menos pessoas como eu encontrariam uma forma de enxergar do olho doente. Foi o contrário.

A tecnologia do entretenimento foi mais rápida do que a da saúde. Hoje tem uma coisa que praticamente todos podem fazer e eu não: ver filmes em 3D. E eu adoro cinema! Acho que sempre existirão filmes que não sejam em 3D. Mas como serão os voos dos pássaros de Avatar em terceira dimensão? Como vai ser o mundo de Alice de Tim Burton saindo da tela? Eu nunca saberei. Mas o pior não é isso. É a insistência dos outros, os normais. “Mas tu não consegues ver mesmo? Tem certeza?” É como perguntar para um cego dos dois olhos se ele tem certeza que não enxerga. Quando eu confirmo, vem o constrangimento, a troca de assunto. Agora eu sei como um deficiente se sente. Minha cegueira se tornou visível.

Mais Notícias

Buscar
Edições Anteriores
Assine a Newsletter

Voltar
Rodapé - Links